O Porto de Santos, no litoral paulista, é o maior e mais importante do País, defende que o setor permaneça operacional, respeitados os protocolos de prevenção à covid-19.

“O risco maior é permitir a descida e circulação dos tripulantes em terra. São os maiores vetores, pois acessam as áreas urbanas, frequentam bares e áreas de prostituição. Os navios devem também estar engajados nessas medidas preventivas junto a tripulação e higienização”, informa o diretor executivo do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar), José Roque.

Mais sobre o tema
Terminais portuários pedem crédito específico para o setor portuário

Sindamar CargasO porto continua trabalhando. Imagem reproduzida a partir do site do Sindamar.

José Roque acredita que a pandemia vai impactar nas operações portuárias e na distribuição de mercadorias. “O porto vai continuar trabalhando. Mas, com essa pandemia em nível mundial, sempre há impacto nos negócios na área de comércio exterior. O governo ficou de editar uma medida provisória para ajudar os trabalhadores avulsos, caminhoneiros e autônomos.”

O retorno das atividades na China será um bom incentivo para a possibilidade de retomada das atividades no Brasil em um futuro próximo, acredita. “A redução de operação na China está em fase final. O país começa a se recuperar e a nossa preocupação é que não haja um desbalanceamento na logística de equipamentos.”

Marcia editada* Jornalista, fotógrafa, pesquisadora, docente, pós-doutora em Comunicação e Cultura e diretora da Cais das Letras Comunicação. Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente