No próximo sábado, às 18 horas, no Sesc Santos, apresento uma série de traduções dentro do evento “Porto – Um Portal Poético. O tema do mar e da viagem na poesia ibero-americana a partir do porto de Santos”, no qual estarão alguns poemas que venho traduzindo aqui no Porto Literário.

Para manter o clima da semana, traduzo hoje outro poema de Javier Heraud (1942-1963), poeta peruano que vem frequentando bastante este espaço, de quem apresentei há duas semanas a tradução de “O Rio”.


O mar e o horizonte da Lima outonal de Javier Heraud

Hoje ficamos com o poema “O Outono e o mar”, inédito em português, do poemário “En espera del otoño” (“À espera do outono”):

O outono e o mar

Ao se aproximar o outono,
corro até o mar e procuro as conchas douradas,
são como as folhas,
o mar as lança precipitadamente
à areia,
e entre onda e onda,
e enquanto o mar se afasta e se aproxima,
as escamas brancas dos peixes
(caídas ao som do vento
do outono que penetra até
o fundo do oceano)
aparecem para serem recolhidas pela mão.

 

Conchas brancas,
ainda escuto os sons do mar
que escutava quando a infância
era pequena e doce,
ainda escuto no fundo
de todo caracol adormecido,
o imenso rugido do mar!

 

 

São como as folhas,
caídas no fundo da areia.

O mar as move e as renova,
as golpeia e as destroça,
e o outono as oferece com os pés nus,
colhendo-as, as afugentando.

Serviço
Entre o material traduzido está a prosa poética de Roberto Bolaño (Chile) do livro “Tres”, ainda inédito em português, poemas dos peruanos Antonio Cisneros, César Vallejo, Carlos Oquendo de Amat, Óscar Limache e Javier Heraud. Ainda José Agustín Goytisolo (Espanha), sempre com o mar e as viagens como tema. Será lida ainda uma nova versão para o poema “Santos Revisitado (1927-1967)”, de Pablo Neruda (Chile), que fala de sua passagem pelo Porto de Santos.

A leitura faz parte do projeto “Poesia de boca em boca”, pelo qual poemas são impressos nos guardanapos utilizados na unidade do Sesc Santos. Para a ocasião, foram selecionados poemas de Limache (“Nova York”), Heraud (“O Rio”) e Flávio Viegas Amoreira (“Escorbuto – Cantos da Costa”), representando o Brasil nos guardanapos que serão distribuídos ao público durante a Bienal de Dança.

Referência
Javier Heraud. En espera del otoño. In: Poesía Reunida. Lima, Peru: Peisa, 2010.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente