Autora do poema “Raízes”, apresentado em “Raízes portuárias”, a escritora Madô Martins enviou ao Porto Literário o poema inédito “À deriva”, que fará parte de “Outras marés”, livro ainda em escritura.

Agradeço publicamente a autora pelo envio do texto inédito, publicado em primeira mão pelo Porto Literário:

À deriva

 

Aceito a vida

com ironia:

não sei em que balcão

a pedi para viagem.

Rolo os dias

como vento conchífero

e à tona

ficam as lembranças,

mercadoria barata,

quebradiça, desbotável.

Ainda sonho, é verdade:

paisagem alheia

vista desde a escotilha.

O mapa

se refaz a cada dia,

a névoa ocultando

ilhas onde brota

a flor do medo.

A rosa dos ventos

fere com seus espinhos.

Manso vagar é só vagar

por desvios de bancos de areia.

Nenhum canto de sereia,

boto rosa ou olho de jacaré

para me exorcizar.

E atrás da última onda,

o cais,

em pleno deserto.

A autora
Madô Martins é jornalista e escritora com 11 livros publicados. É cronista do jornal A Tribuna desde 2000, em coluna publicada aos domingos no caderno Galeria. Realiza palestras e oficinas literárias. Premiada em prosa e verso em concursos nacionais e internacionais. Fã de gatos, cães, pássaros e plantas. Seu livro mais recente é “Perdas e Danos”, publicado agora em 2012 pelas Edições Caiçaras.

É dele o poema “Casal”, em que o tema do mar também está presente:

Casal

 

Homem do campo
Mulher do mar

Ele traz
ramos de trigo
o canto da cigarra
duas frutas

Ela
conchas rosadas
o som das ondas
areia de ampulheta

 

Quando se beijam
cessam os gafanhotos
somem as manchas de óleo
a brisa sopra folhas e espantalhos
a maré embala peixes e barcos

 

Homem do campo
Mulher do mar

 

A gerar vales e rios
lagos e pomares
pela vida
para além da vida

Referência
Madô Martins. Perdas e danos. São Vicente: Edições Caiçaras, 2012.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

O que você achou? Comente