Alessandro Atanes

Jornalista e mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Servidor público de Cubatão, atua na assessoria de imprensa da prefeitura do município.

Roland Barthes descreve Marlon Brando em “Sindicato dos Ladrões”, filme de 1954 dirigido por Elia Kazan, como um estivador “indolente e ligeiramente bruto”. O filme nos apresenta o personagem como um simpatizante dos criminosos que controlam o sindicato dos trabalhadores do porto, resignado com a condição de sujeição à situação.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
1 LiteraturaNotei uma vez no poema “Santos Revisitado (1292-1967)” um testemunho sobre as mudanças urbanas em Santos no período inscrito em seu título. Pablo Neruda registra em seus versos a transformação da paisagem urbana. Em seguida, minha tradução de sua quinta e última parte:

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Nos anos neoliberais , pós-muro, a intenção política se faz no grito, como os “Torpedos” de Zéllus Machado, publicado no início do século XXI. Na cidade de Sotnas, sob o governo de Tobi Surman e o jugo das corporações invencíveis, o artista brada contra os representantes locais do capitalismo financeiro / motel de alta rotatividade em sua fase barroca. Transcrevo o trecho central de “Cidade sombra”, que encerra o livro:

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Mas aí viramos a página e lemos a poesia de Marcelo Ariel. Em imagens oníricas e violentas, Ariel desmonta, tijolo a tijolo, a estrutura da nação, não importa sob qual governo.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
A partir da próxima quarta-feira (04/05), inicio a oficina Conheça Santos por meio da Literatura, que acontece no Fórum da Cidadania e Cultura de Santos, no litoral paulista (clique aqui para obter mais detalhes).

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente