Alessandro Atanes

Jornalista e mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Servidor público de Cubatão, atua na assessoria de imprensa da prefeitura do município.

Quando o escritor chileno Roberto Bolaño (1953-2003) começa a ser discutido pelos cadernos culturais brasileiros, a regra foi de identificá-lo como um autor que se manifestava contra o realismo maravilhoso de Gabriel García Marquez, Julio Cortázar (que são bem diferentes entre si). É a necessidade de criar polêmica. Hoje, apresento um pequeno indício de como Bolaño, em sua originalidade como autor, mais do que rechaçar a geração anterior, avança em seus universo.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Outro procedimento de um grande autor latino-americano adotado por Bolaño, já bastante anotado pela crítica, é o gosto de Jorge Luis Borges pela enumeração de coisas. Exemplos são a listagem de obras do autor fictício Pierre Menard (procedimento também adotado por Bolaño em La literatura nazi en América) e, talvez sua lista mais comentada, a de coisas que podem ser vistas dentro do Aleph, ponto pelo qual são vistos todos os demais pontos do universo. A ela:

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Em um dos artigos da série Americanidades afirmei como o escritor uruguaio Mario Benedetti [foto] (1920-2009) e o chileno Roberto Bolaño (1953-2003) representam momentos distintos em relação às ditaduras do Cone Sul (Uruguai, Brasil, Chile e Argentina). O primeiro escreveu uma obra que ficcionalizou a experiência do enfrentamento; o segundo, ainda que tenha vivido e enfrentado o golpe no Chile em 1973, é responsável por uma ficção dos herdeiros da, digamos assim, derrota democrática. Hoje veremos como isso ocorre em um exemplo.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
Escrevi há algumas semanas sobre como o escritor chileno Roberto Bolaño, um menino de 9 anos quando o Brasil conquistou o Mundial em seu país em 1962, se identificava com o camisa 11 Pepe, da seleção e do Santos Futebol clube (Americanidades I). Hoje, vou de Bolaño a Santos de novo, mas desta vez com uma escala no porto de Buenos Aires.

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s
O bicho tá pegando na área cultural de Santos por causa de problemas no Fundo Municipal de Cultura, mas vou continuar escrevendo sobre literatura. Até porque sou parte interessada: do valor total disponível em edital, só um pouco mais da metade realmente será distribuído entre 17 projetos (a expectativa era em torno de 30). O autor aqui da coluna acabou como primeiro suplente em um universo de redução de recursos, uma Antígona (que pretensão) vitimada pelo Creonte-Estado de fundo pela metade. Tragédia ou comédia?

0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente