• A publicação constatou o aumento da participação dos portos das regiões Norte e Nordeste de 33%, em 2016, para 41%, em 2017, no total das exportações aquaviárias de granéis sólidos

  • Com muito atraso e casos de corrupção, finalmente começa a ter forma uma nova economia brasileira. Com posicionamentos logístico e geográfico favoráveis; próxima aos grandes centros agropecuários e de mineração

  • O mundo do agronegócio festeja o que eles chamam de "esforço do ministro dos Portos, Helder Barbalho, em definir as poligonais e liberar licitações de terminais portuários para movimentar os investimentos privados e públicos no Arco Norte, região que compreende os estados de Rondônia, Amazonas, Amapá, Pará e segue até o Maranhão, garantirá ao país, em 10 anos, um equilíbrio entre a oferta de soja e milho e a capacidade de movimentação de carga nos portos brasileiros". Essas são as palavras do especialista em logística e infraestrutura, Luiz Fayet, que prossegue reluzente: "Com a definição das poligonais, os investimentos privados para a construção de Terminais de Uso Privado tornam-se possíveis, e, com a construção do Terminal Público de Outeiros possibilitarão a diminuição do “Custo Brasil” para a exportação das safras localizadas nas novas fronteiras: Mato Grosso, Brasília e Bahia, principalmente."

    Ele explica que, atualmente, a maior parte da plantação de soja e milho dessas regiões é transportada via rodovia até o Porto de Santos (SP). Ele conta na ponta do lápis tal "caminho" do produto: “Gasta-se hoje cerca de US$ 130,00 a US$ 140,00 por tonelada para exportar pelo Sudeste. Ao fazermos pelo Norte, conseguiremos diminuir entre US$ 50,00 e US$ 60,00 esse custo."

    Outeiros terminal

    Segundo Fayet, os maiores benefíciados com a ampliação da capacidade dos portos do Arco Norte serão os produtores e exportadores de milho. Além disso, beneficia-se também toda a cadeia de prestadores de serviços e equipamentos para infraestrutura portuária, que deverá testemunhar um aumento na demanda por soluções aplicadas à operação nos portos e terminais.

  • Ante o risco de recessão que ameaça os países ricos, o ministro Tarcísio Gomes de Freitas realiza políticas acertadas para garantir a implantação de infraestrutura adequada e geradora da tão necessária oferta de trabalho.

  • Na metade setentrional do Brasil situa-se um potencial logístico há muito e lentamente em desenvolvimento que, desde o início da Transamazônica, alcança finalmente um estágio operacional para conquistar protagonismo e ser modelador da economia nacional.

  • Desde 2015, os portos do Arco Norte já figuram como a segunda maior logística brasileira. Estimativas do Instituto Matogrossense de Agropecuária é que até 2023 o Arco Norte seja responsável por 50% das exportações dos grãos produzidos no Mato Grosso

  • Em vídeo enviado ao WebSummit Arco Norte, organizado pelo Portogente, o presidente da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias (FerroFrente), José Manoel Ferreira Gonçalves, ressalta a importância de se discutir uma logística integrada para aumentar a eficiência da movimentação de cargas nos portos das regiões Norte e Nordeste, potencializando a competitividade do Brasil no comércio internacional e gerando oportunidades para tornar o país mais justo e menos desigual

  • Certamente historiadores e geógrafos encontrarão origens mais remotas. O que se sabe é que na segunda metade dos anos 1990 a expressão “Arco Norte” já se tornara usual. Formalmente ela parece ter debutado no Plano Plurianual 2000-03 (Programa “Avança Brasil”):

  • Lamentavelmente, a política dos portos brasileiros destoa, paradoxalmente, do desempenho apresentado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, como um ponto fora da curva.

  • Arco Norte, como é chamada uma das regiões brasileiras de grande potencial logístico portuário, é um desafio político e tanto. O que significa dizer que necessita de uma estratégia de escoamento por mar da produção dos estados de Roraima, Amapá, Amazonas, Pará e Maranhão. Daí o sentido mais estrito da atual denominação Saída Norte.

  • Três dos projetos de arrendamento já tiveram seus estudo concluídos e passaram por consulta pública, aguardando agora a conclusão de acórdãos pelo Tribunal de Contas da União (TCU)

  • O WebSummit “Arco Norte, Porta para o Mundo” é a mostra no Portogente de uma nova realidade logistica, econômica, ambiental e social do Brasil. Um debate amplo, denso e aberto pela internet sobre o desenvolvimento pujante e sustentável da mais sensível área ecológica do Planeta.

  • A Associação Nacional de Exportadores de Cereais estima que o produtor brasileiro de soja gasta, por exemplo, com o transporte de sua mercadoria da fazenda ao porto, quatro vezes aquilo que despende seu concorrente argentino ou norte-americano

  • No bate-papo com o experiente apresentador, o ministro disse que sua meta mais ambiciosa é entregar ao Brasil a Ferrogrão, corredor ferroviário que ligaria as regiões produtoras de grãos do Centro Oeste aos portos do Arco Norte

  • O Blog do Bruno Merlin desta semana, no Portogente, divulga que o governo Temer pode descarrilar o Brasil ainda mais. Isso porque anunciou, mesmo tendo prazo de quase 10 anos ainda, que prorrogaria, agora e por mais 30 anos, o direito da Vale explorar a Ferrovia de Carajás, no Pará.

  • A Operação envolverá a instalação de bases operacionais em três pontos críticos da rodovia - localizados entre os municípios paraenses de Novo Progresso e Moraes Almeida -, a implantação de sinalização específica para controle de tráfego pesado e o envio de mais de 40 veículos e equipamentos especiais, entre eles retroescavadeiras, caminhões carroceria, tratores agrícolas, motoniveladoras e cavalos mecânicos com reboque

  • Portogente tem enfatizado a importância do Arco Norte do Brasil como logística para exportação e para desenvolver uma região de grande potencial para o novo paradigma produtivo internacional. Ao concluir a construção da Ferrovia Norte-Sul (FNS), iniciada no regime militar há mais de 30 anos, haverá integração ferroviária do Rio Grande do Sul ao Pará que poderá surpreender as projeções de demandas hoje consideradas superestimadas

  • A Hidrovias do Brasil inicia o ano de 2018 com duas novidades que serão apresentadas durante a Intermodal 2018, uma das principais feiras de logística da América do Sul. Visando a expansão operacional rumo ao desenvolvimento de soluções logísticas multimodais...

  • Grandes são os desafios e gargalos logísticos para fazer se chegar à produção de soja e milho da região Centro Oeste, Norte e Nordeste até os portos principalmente os do Arco Norte, o cenário atual e as possibilidades futuras de incremento e aumento dos volumes a serem escoados e exportados pelos portos da saída Norte

  • Um dos motivos que levou Tarcísio a ser escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi sua atuação como secretário de Coordenação de Projetos na Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), afinal o Ministério terá como competência estabelecer diretrizes e definir prioridades dos programas de investimentos no setor de transportes