• Ineficiência na gestão dos portos e na integração modal prejudicam potencial do Brasil

    Na entrevista, o diretor de relações governamentais da Toyota do Brasil, Ricardo Bastos, destacou os custos adicionais da montadora com o transporte de veículos e de autopeças, causados pelo péssimo estado de conservação, em geral, da malha rodoviária brasileira. Ele também abordou questões burocráticas ligadas à gestão dos portos e a dificuldade para que instalações portuárias obtenham as licenças necessárias para operação. Bastos lamentou, ainda, a quase inexistência de integração entre os modais de transporte em todas as regiões do País

  • Inovar para garantir confiabilidade e integração à cadeia logística brasileira

    Investimentos na ordem de bilhões de reais foram postos em espera sem um horizonte definido, renovações de contrato, expansões e adensamento de terminais se arrastaram por anos, perdendo todos os prazos e trazendo insegurança aos investidores

  • Itajaí irá debater possível privatização dos portos públicos

    O futuro superministro da Economia do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), Paulo Guedes, já sinalizou ser favorável à privatização da maior parte das estatais brasileiras, mesmo as administrações portuárias decentralizadas. É o caso do Porto de Itajaí, em Santa Catarina, que pertence à União mas está sob administração municipal há mais de duas décadas.

  • Landlord Port: O que é isso?

    O LandLord Port é um modelo de gestão portuária adotada pelo governo brasileiro, para a exploração do seu sistema portuário. Nesse modelo a infraestrutura do porto é provida pelo Estado, e o setor privado fica responsável pelo fornecimento de superestrutura e pela realização das operações portuárias, por meio de arrendamentos (concessões).

    Existem outros modelos de administração portuária, como o Tool Port e Service Port e o Full Privatize Port, porém, o mais aplicado pelo mundo é o Landlord Port.

    Aprenda mais sobre esse modelo de gestão portuária.

  • Mais importante do que modelo de gestão é garantir segurança jurídica, avalia Benjamin Gallotti

    O Portogente convidou o administrador do Escritório Gallotti e Advogados Associados e conselheiro eleito da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do Distrito Federal, Benjamin Gallotti, para refletir sobre modelos de gestão dos portos brasileiros e o complexo "emaranhado" de leis e normas que regem o setor no País

  • Membro do Consad da CDP defende autonomia para os CAPs e seleção interna para diretores

    A devolução da autonomia deliberativa dos Conselhos de Autoridade Portuária (CAPs) seria uma das principais ações para garantir a participação da comunidade local na gestão das companhias docas, avalia o representante dos trabalhadores no Conselho de Admnistração (Consad) da Companhia Docas do Pará (CDP), Cileno Santos Borges, em entrevista ao Portogente

  • Ministro elogia landlord, mas indica estar aberto para aplicar outros modelos em Santos

    Durante discurso realizado na abertura da 17ª Edição do Fórum Nacional para Expansão do Setor Logístico Portuário – Santos Export, em Brasília, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, ressaltou que sua equipe é "fã do modelo landlord", mas está aberta a sugestões voltadas a uma nova natureza para a Autoridade Portuária de Santos que possibilite alcançar eficiência para a exploração de todo o potencial do principal porto do Hemisfério Sul

  • Modelo "falido" de gestão precisa de CAP forte e priorizar expertise portuário

    O WebSummit Nova Abertura dos Portos consultou o ex-superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Daniel Lúcio Oliveira de Souza, e agora publica a visão do entrevistado, que considera "falido" o atual modelo de administração dos portos e lamenta o distanciamento do "modelo da saudosa Portobras"

  • Modelo de gestão precisa resgatar a função social e estratégica dos portos, diz Agripino

    Ele aponta a necessidade de resgatar a função social e estratégica dos portos organizados no País, garantir segurança jurídica para o investidor e serviço adequado para o usuário. Um "novo modelo", na sua avaliação, deve zelar pela regulação econômica com foco na defesa da concorrência. "Estamos estagnados há 30 anos e não temos sequer política industrial. Ainda não temos rubricas de serviços portuários e de transportes marítimos".

  • Nomeados novos diretores e presidente dos Portos do Paraná; veja quem são

    O governo local mantém planos em consonância com o Palácio do Planalto no sentido de ampliar as concessões e parcerias com a iniciativa privada para viabilizar grandes empreendimentos de infraestrutura

  • Novo presidente da Appa quer valorizar funcionários e usuários dos portos do Paraná

    Garcia foi nomeado pelo governador paranaense Carlos Massa Ratinho Junior e assume o cargo depois de ter a indicação aprovada pelo Conselho de Administração dos portos paranaenses. Ele garante que irá valorizar os empregados de carreira da empresa.

  • Novo presidente da Docas do Rio é almirante com extenso currículo no setor naval

    O almirante Laranjeira ingressou na Marinha do Brasil em 1968 e, em sua formação militar, passou pela Escola Naval, pela Escola de Guerra Naval (EGN) e pela Escola Superior de Guerra (ESG), onde se formou no Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia (CAEPE)

  • O debate da reforma portuária acontece aqui

    A reforma portuária é urgente e deve ser fundamentada nas razões de ser de um porto. Caso contrário, será polêmica e mal-acabada. E o comércio não atura desaforo. Escutar suas necessidade e desejos significa levar em conta sua herança milenar, cuja origem remonta milhares de ano.

  • O que é um operador portuário?

    Operador portuário é a pessoa jurídica pré-qualificada para exercer as atividades de movimentação de passageiros ou movimentação e armazenagem de mercadorias, destinadas ou provenientes de transporte aquaviário, dentro da área de um porto organizado

  • Portaria 574 disciplina descentralização dos portos e cria Índice de Gestão

    A descentralização do processo decisório é uma reivindicação de décadas da comunidade portuária brasileira, na busca de estabelecer decisões mais ágeis e transparentes no setor

  • Portaria do Ministério da Infraestrutura é ferramenta para desobstrução de investimentos

    A Portaria 530/2019-Minfra busca acelerar a análise dos investimentos na infraestrutura portuária e a análise de renovações de arrendamentos, onde, de acordo com dados da SNPTA, poderemos estar destravando investimentos da ordem de R$ 5,3 bilhões até o ano de 2020. O que torna o País elegível, ao menos na infraestrutura portuária, a responder satisfatoriamente ao tão esperado upturn da economia

  • Porto de Santos à espera de Bolsonaro

    As restruturações que vem sendo realizadas, a 45 dias do presidente eleito Jair Messias Bolsonaro tomar posse, passam a impressão de desmonte da empresa para causar problema ao novo governante. Convém destacar que como coordenador do Grupo de Trabalho e assessor especial do MTPA sobre os contratos de dragagem, Luiz Fernando manifestou-se favorável à possibilidade de passar esse serviço à iniciativa privada

  • Porto de Santos tem novo presidente: Consad aprova nomeação de Casemiro Tércio

    Casemiro Tércio é formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e pela Advanced Management Program (AMP) da IESE Business School. Foi presidente do Porto de São Sebastião e ex-diretor do Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo, além de sócio fundador e head de infraestrutura da Garín Investimentos e do Bureau da Engenharia

  • Porto Itapoá inicia 2019 com novo software de gestão e busca lugar entre os líderes do Brasil

    Investimento em tecnologia, segurança e agilidade para suportar o crescimento previsto para o terminal portuário nos próximos anos

  • Portos do Brasil seguem sem rumo

    Surpreende que, passados 80 dias de governo Bolsonaro, o que se anuncia como planejamento para os portos brasileiros não expressa a mínima possibilidade de alcançar, nos próximos quatro anos, os patamares dos portos asiáticos