Atacante sueco está na mira da FIFA e da UEFA por envolvimento com apostas esportivas

Um dos maiores jogadores das últimas décadas do futebol mundial, Ibrahimovic pode ser punido pela FIFA e UEFA e antecipar o encerramento de sua carreira como jogador profissional. O sueco, principal estrela do Milan neste momento, está sendo investigado por ser sócio de uma empresa sueca de apostas esportivas.

 

A situação do jogador se complicou nas últimas semanas após revelações do jornal Aftonbladet. De acordo com a publicação, Ibrahimovic seria um dos proprietários da Bethard, uma das empresas listadas em um site de casas de apostas na Suécia e cujo faturamento é digno de elogios. Segundo o último relatório anual disponível (2019), obteve um lucro de 301 milhões de coroas suecas (cerca de 30 milhões de euros).

 

A situação do craque do Milan se complicou após o CEO da empresa, Erik Skarp, confirmar ao jornal que Ibra ainda possui ações da Bethard. Segundo o regulamento da FIFA e da UEFA, jogadores profissionais não podem manter participação em empresas que estejam no mundo das apostas esportivas. O fato de estarem em campo significa que podem, de alguma maneira, manipular o jogo, prejudicando o aspecto esportivo.

 

Agora, Ibrahimovic luta para que a Fifa seja benevolente com seu caso. Em seu regulamento, a entidade estabelece que quem violar as regras envolvendo empresas de apostas esportivas será penalizado com uma multa de quase 100 mil euros e uma possível suspensão de todas as atividades relacionadas com o futebol por um período máximo de três anos.

 

Ainda não está definido se o sueco sofrerá a punição máxima ou se apenas será multado. O jogador tem mantido silêncio sobre as revelações. Aos 39 anos, uma suspensão de três anos do futebol mundial significaria praticamente o fim da carreira do jogador, que já vestiu a camisa de gigantes do futebol europeu, como Juventus, Inter de Milão e Barcelona.

 

Essa não é a primeira vez que Ibra é investigado por envolvimento com casas de apostas, mesmo sendo jogador profissional. Em 2018, quando defendia o Manchester United, ele esteve no radar da Federação Inglesa de Futebol por suposto envolvimento com a empresa BetHard. Também neste caso, o sueco não seria o dono principal, mas teria participação nos lucros da companhia.

 

Na ocasião, os jornais The Telegraph e Daily Mirrors salientaram o regulamento rígido da FA, que é muito claro: jogadores, treinadores, dirigentes e pessoas ligadas ao staff de clubes são totalmente proibidas de promoverem ou fazerem propaganda de casas de apostas.

 

Na época, Ibra conseguiu escapar da punição, mas o episódio parece ter afetado seu rendimento dentro de campo, já que o atacante fez uma temporada abaixo da média com a camisa do clube inglês. Os últimos meses de Ibra não têm sido fáceis. Apesar de liderar o clube tecnicamente em campo, exercendo liderança e sendo decisivo na maioria dos jogos, o atleta tem se envolvido com diversas polêmicas fora das quatro linhas.

 

O atacante foi flagrado em um restaurante em Milão, no último domingo, 11, quando a cidade ainda estava em lockdown devido à pandemia do novo coronavírus. De acordo com fontes próximas de Ibrahimovic, o jogador não almoçou no restaurante, mas participou de um encontro privado com a presença de um número limitado de pessoas para falar sobre negócios.

 

O dono do restaurante, Tano Simonato, contou a sua versão do que aconteceu no La Gazzetta: "Ibra, Ignazio (Abate, ed.) e um outro amigo muito querido vieram me ver, ficamos umas duas horas lá e depois eles foram para casa. Era uma coisa entre amigos e eles não almoçaram, nós tomamos uma taça de vinho". Há alguns meses, Zlatan foi escolhido pela região da Lombardia para uma campanha de conscientização sobre o uso da máscara e o respeito às regras contra a covid-19. O anúncio publicitário dizia: "Use a cabeça e respeite as regras: distância e máscaras".

 

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*Todo o conteúdo contido neste artigo é de responsabilidade de seu autor, não passa por filtros e não reflete necessariamente a posição editorial do Portogente.

O que você achou? Comente