A experiência da China em conter a disseminação do novo coronavírus pode servir de lição para outros países que enfrentam a pandemia da COVID-19, disse uma autoridade da Organização Mundial da Saúde (OMS) em entrevista ao UN News.

600 China corona

Leia também
* Testes em massa e controle tecnológico dos cidadãos parecem essenciais para evitar bancarrota
* O filho do pai, o coronavírus e a China

Enquanto mais de 153 mil casos de doenças respiratórias foram registrados globalmente até domingo (15), esse número está em declínio na China, demonstrando que o curso do surto foi alterado, de acordo com o representante da OMS no país, Gauden Galea.

“É uma epidemia que foi interrompida à medida que crescia e parou de crescer. Isso está muito claro a partir dos dados que temos, bem como das observações que podemos ver na sociedade em geral”, disse o especialista, falando da capital, Pequim, no sábado (14).

“Portanto, essa é uma grande lição: que o curso natural do surto não precisa ser um pico muito alto que sobrecarregue os serviços de saúde. Esta lição de contenção, portanto, é uma lição que outros países podem aprender e se adaptar às suas próprias circunstâncias.”

Entendendo ‘uma pneumonia de causa desconhecida’
A Covid-19 é a mais recente doença provocada pelos coronavírus que causam infecções respiratórias, como MERS e SARS.

A OMS está trabalhando no caso desde 31 de dezembro, quando foi informada pela primeira vez que “uma pneumonia de causa desconhecida” havia sido detectada em Wuhan, a maior cidade da província de Hubei, no centro da China.

Galea relatou que havia três perguntas principais a serem compreendidas durante esta fase inicial: como o vírus estava sendo transmitido, sua gravidade e quais medidas de controle deveriam ser tomadas.

evp1
Cursos online 100% gratuitos

* Clique aqui para acessar

“De certa forma, as três primeiras semanas foram profundamente envolvidas na investigação epidemiológica local, na realização de perguntas aos pesquisadores nacionais, na interpretação de redes internacionais de especialistas, no desenvolvimento de comunicações de risco em torno das informações que tínhamos, enviando informações para a mídia, alcançando parceiros nas Nações Unidas e nas missões na China com sede em Pequim”, afirmou.

Galea e colegas viajaram para Wuhan de 20 a 21 de janeiro, apenas alguns dias antes de a cidade ser sujeita a um bloqueio. Na época, não havia uma demanda esmagadora pelos serviços de saúde, embora a situação tenha mudado quando especialistas em saúde chineses e internacionais realizaram uma missão conjunta um mês depois.

O especialista entendeu que, embora houvesse deficiências na época, tomar medidas diferentes teria sido difícil.

“Mas essa contenção foi eficaz e permitiu que o restante da China pudesse conter o surto de uma maneira muito eficiente. A forma da epidemia e o pequeno número de casos vistos fora de Hubei são um testemunho do sucesso e da eficácia”, afirmou.

“É muito importante perceber que essas deficiências não são exclusivas da China e que poucos países estão manifestando maior velocidade de ação.”

Da emergência internacional à pandemia
Após duas reuniões de seu Comitê de Emergência, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em 30 de janeiro, declarou a nova doença uma emergência de saúde pública de interesse internacional: a classificação mais alta da agência para avaliação de riscos.

A OMS então montou o que Galea descreveu como um “plano de pesquisa” e começou a enviar kits de teste e equipamentos de proteção individual para outros países.

Na semana passada, a OMS anunciou que a COVID-19 poderia ser caracterizada como uma pandemia: a primeira a ser desencadeada por um coronavírus.

“Quando lembramos que uma emergência de saúde pública de interesse internacional foi declarada em 30 de janeiro e, conforme falamos agora, estamos em meados de março, é muito importante entender que qualquer país que ainda não atendeu à chamada precisa estar agindo e agindo rápido: preparando a população através de uma comunicação de risco apropriada”, disse Galea.

Compartilhando as lições aprendidas
Com o número de casos na China em declínio, a OMS está trabalhando para compartilhar as lições aprendidas lá em benefício de outros países que agora enfrentam a COVID-19.

Galea elogiou a cooperação oportuna com a Comissão Nacional de Saúde, sua contraparte no país. Trocas precoces e frequentes resultaram no compartilhamento da sequência genética do vírus, bem como nas especificações para o desenho dos testes, para que outros países pudessem identificá-lo.

“A maior conclusão é que a China demonstrou que o curso do surto pode ser alterado. Normalmente, um surto dessa natureza teria um crescimento exponencial, atingiria um pico alto e diminuiria naturalmente quando todas as pessoas suscetíveis fossem infectadas ou desenvolvessem a doença. Isso não aconteceu na China de várias maneiras”, disse ele.

“Um: a forma do curso dos eventos – o gráfico, a curva epidêmica, como chamamos, do número de casos ao longo do tempo – parece muito antinatural. É uma epidemia que foi cortada à medida que crescia e parou de seguir. Isso é muito claro a partir dos dados que temos, bem como das observações que podemos ver na sociedade em geral.”

“Portanto, é uma grande lição que o curso natural do surto não precise ser um pico muito alto que sobrecarregue os serviços de saúde. Essa lição de contenção, portanto, é uma lição que outros países podem aprender e se adaptar às suas próprias circunstâncias.”

Utilize as ferramentas
Uma lição até agora tem sido a importância de ter sistemas nacionais de saúde pública fortes. Galea sublinhou a necessidade de preparação e o valor de fornecer a todos os cidadãos acesso a cuidados de saúde.

No nível individual, ele exortou as pessoas a não entrar em pânico e a seguir procedimentos para reduzir o risco de propagação, como lavar as mãos adequadamente, cobrir o nariz ao espirrar, tossir no cotovelo e trabalhar em casa sempre que possível.

“As pessoas já ouviram essas coisas muitas vezes, mas nunca se pode repeti-las o suficiente ou com força suficiente. Este é o caminho. Essas são as ferramentas que temos agora. Utilizem.”

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website

O que você achou? Comente