O novo presidente da Cia. Docas do Espírito Santo (Codesa) assumiu o cargo nesta terça-feira (25). “A casa está arrumada, vou chegar com a bola na marca do pênalti”. Esta foi a primeira fala de Ângelo José de Carvalho Baptista, que avisou que prefere ser chamado pelo primeiro e último nomes (Ângelo Baptista).

 

A posse aconteceu durante a reunião mensal do Conselho de Administração (Consad) da empresa. Na ante-sala, empregados da Codesa e representantes dos trabalhadores, entre eles, Roberto Hernandes, presidente do Sindicato Unificado da Orla Portuária (Suport), que disse estar confiante no novo presidente da Codesa, mas lamentava que a diretoria agora não contava mais com um representante da classe laboral.

 

Após a posse, Ângelo Baptista e Henrique Zimmer discursaram. Zimmer, emocionado, disse estar cumprindo a palavra que deu ao ministro Pedro Brito, da Secretaria Especial de Portos (SEP), de que a transferência do cargo aconteceria sem traumas e com compromisso e responsabilidade profissional. “A Codesa está acima de tudo! É o que a gente pode querer”, disse. Zimmer falou que não vai abrir mão de prestar os serviços que a companhia merece “apesar de muita gente não merecer esta empresa”, lamentou.

 

Ângelo Baptista recebeu presentes do seu antecessor, como um boné. Como Lula, colocou o boné que ganhou de Zimmer, em seguida falou aos presentes que se sente feliz e privilegiado em estar na Codesa. Ele acrescentou que encontrou “a bola na marca do pênalti, pelo muito que Zimmer fez e já deixou encaminhado. A casa está arrumada. Vamos dar continuidade”.

 

Desafios

Ângelo Baptista falou em desafios e disse que vai tentar tirar as pedras do caminho. Para tanto, vai trazer um pouco da iniciativa privada, de onde vem, e aplicar na Codesa. Ele espera aumentar a parceria com o setor privado já que o governo não tem mais recursos. “As parcerias são a opção”.

 

O novo presidente da Codesa agradeceu o trabalho executado por Zimmer e disse esperar poder contar com o apoio de todos da empresa.

 

Gestão por resultados

“Novos métodos de gestão buscando melhorar eficiência e eficácia. Definir e perseguir metas”. Estes foram os principais objetivos que Ângelo Baptista apontou para a questão abordada pelo PortoGente. Segundo ele, o setor público tem de passar a buscar padrões, como na iniciativa privada. Ele disse, ainda, que sua missão é a de contribuir para o processo de modernização da gestão do sistema portuário.

 

Para ele, a empresa pública, como a Codesa, tem de ter a mentalidade da iniciativa privada, ou seja, eficiente em custos, racionalizar mais o processo de gestão administrativa e operacional e melhorar receitas (ampliar volume de cargas, rever tarifas, novos arrendamentos etc.). “A empresa não precisa ser superavitária, ela precisa dar lucro”.

 

Codesa

A saúde financeira da Codesa foi questionada e o novo presidente falou que já tomou conhecimento dos problemas.  Citou que as receitas não conseguem cobrir seus custos, assim, a empresa está no limite, fica dependente de verba federal para crescer. Segundo Ângelo Baptista, é preciso tomar medidas, mas se os resultados negativos persistirem, teremos problemas”.

 

Estadualizar/Privatizar

Seguindo o raciocínio do ponto anterior, PortoGente questionou o novo presidente da docas capixaba sobre a possibilidade de estadualização ou privatização, caso o saneamento financeiro da empresa não seja atingido.

 

Ângelo Baptista descartou a possibilidade neste momento. Segundo ele, o objetivo é sanear a empresa, recuperar sua capacidade de investimentos. Ele chegou a dar como exemplo o Porto de Barra Riacho, em Aracruz (norte do estado), como grande potencial de crescimento.

 

Gargalos

A questão da dragagem da Baía de Vitória foi apontada como a ação mais urgente pelo novo presidente da Codesa. Segundo ele, o trabalho executado pela gestão anterior (Henrique Zimmer) foi quase completo. “Falta pouco para ser feito, mas será feito”, afirmou. Ele adiantou que a dragagem, que visa alcançar 12,5m de calado, estará concluída antes do final deste ano.

 

Governo estadual

Ângelo Baptista falou que teve encontro com o governador do Espírito Santo e que ele se mostrou receptivo. Segundo o presidente da Codesa, Paulo Hartung disse estar de portas abertas. “Recebi total e completo apoio”, disse.

 

Troca nas diretorias

PortoGente perguntou sobre a troca dos demais diretores da Codesa, como ocorreu em outras Docas no país. “A princípio, a diretoria permanece. Não cabe à presidência, cabe à Secretaria Especial de Portos e outras pessoas envolvidas no processo. Brito vai encaminhar o processo”, disse.

 

Ele falou, ainda, que não vê problema em ter trabalhador na diretoria, “inclusive, todas as empresas devem ter”. O que importa, segundo ele, é ter capacidade de gestão e integridade.

 

Arrendamento

Os arrendamentos também foram tema da entrevista. Segundo Ângelo Baptista, as oportunidades que existem estão em andamento como a retroárea de Capuaba e Barra do Riacho.

 

Ele adiantou que Barra do Riacho poderá ser arrendado até o próximo ano e que, apenas, precisa ser analisado o plano de desenvolvimento.

 

Águas Profundas

Sobre o Projeto para o Porto de Águas Profundas, elaborado pela Intersindical da Orla Portuária-ES, Ângelo Baptista disse que já ouviu falar sobre o empreendimento, e que vai colocá-lo como prioridade na sua gestão.

 

O novo presidente da Codesa disse que para o porto ser competitivo, dar resultado e se desenvolver, precisa ter capacidade e profundidade para atender porta contêineres ou graneleiros. “Se o Brasil pretende aumentar sua exportação, tem que aumentar suas condições. Todos os investimentos que tragam aumento de capacidade são positivos”.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

*O Dia a Dia é o editorial do Portogente publicado de segunda a sábado e expressa fielmente a posição coletiva dos responsáveis pela redação do website

O que você achou? Comente