O Aeroporto de Congonhas, em São Paulo (SP), iniciou a troca, descarte e descontaminação das lâmpadas de iluminação fluorescentes. O serviço é prestado por uma empresa especializada, buscando minimizar o impacto ambiental gerado pela substituição. Em Congonhas, seis mil lâmpadas serão substituídas. Desse total, 2,55 mil já foram corretamente descartadas. O Aeroporto do Campo de Marte, também na capital paulista, também passará por esse processo, com 500 lâmpadas a serem trocadas e descartadas.

Os resíduos das lâmpadas fluorescentes contêm produtos como mercúrio e pó de fósforo, requerendo tratamento prévio para o descarte. Em Congonhas e Campo de Marte, é utilizado um equipamento, chamado de Papa-Lâmpadas, que possui um duplo sistema de filtros para limpeza. No processo, o pó de fósforo é retido em um filtro de celulose e o mercúrio é retido por um carvão ativado para descontaminação da lâmpada. Após a filtragem, praticamente todos os materiais da lâmpada são separados para reciclagem.

A separação dos materiais disponibiliza todos os componentes da lâmpada para que sejam reutilizados como matéria-prima em outras cadeias industriais, fechando o ciclo da sustentabilidade. O vidro e o pó fosfórico, por exemplo, podem ser destinados à indústria de cerâmica para fabricação de pisos; o alumínio das lâmpadas pode ser doado para cooperativas de reciclagem; o mercúrio, por sua vez, pode ser destinado para fins de pesquisas científicas. Todo o processo contribui para uma gestão mais eficiente dos resíduos gerados nos aeroportos, preservando os recursos naturais.
 
“O compromisso de Congonhas e da Infraero com o meio ambiente vai desde grandes ações, como o estudo de impacto ambiental, até medidas regulares como o descarte correto das lâmpadas fluorescentes. Trabalhos como este buscam sempre reduzir o máximo possível o impacto gerado pelas diversas operações do aeroporto ao meio ambiente”, afirmou a superintendente do aeroporto, Eliana Akemi.

Pin It
0
0
0
s2sdefault
powered by social2s

O que você achou? Comente