Um grupo de empresários e autoridades do Rio Grande do Sul mobilizados pelo avanço da duplicação da Rodovia BR-116, no trecho entre as cidades de Guaíba e Pelotas, teme que o corte no orçamento anunciado pelo Governo Federal impacte o andamento da obra, já classificado como lento. Além de reivindicar verba extra, o movimento tenta garantir que os recursos previstos inicialmente não passem pelo contingenciamento federal.

Desde a semana passada, quando o Planalto comunicou o bloqueio de R$ 42,1 bilhões no orçamento para cumprir a meta fiscal deste ano, o receio percorre a zona sul do Estado. O segundo maior impacto ocorreu justamente no Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, responsável pela obra. O orçamento será R$ 5,1 bilhões menor neste ano – uma queda de 31,8%. "Está todo mundo um pouco assustado com esse corte e seus efeitos, mas continuamos pedindo reuniões com os ministérios do Planejamento e dos Transportes na tentativa de conseguir mais recursos. Apesar dos cortes, nem todas as obras serão atingidas. Então, algumas delas podem enfrentar algum problema, e temos a chance de pedir remanejamento orçamentário", diz a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas (PSDB).

O Ministério não confirma bloqueio de verba para a obra, limitando-se a informar que ainda estão sendo definidos quais projetos serão impactados pelo contingenciamento. Cientes do cenário, representantes do grupo devem participar de uma reunião, na quarta-feira (12), com a direção-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), em Brasília. "Os recursos cortados trazem um problema para todo o orçamento do Dnit, inclusive para a manutenção de estradas. Se há o risco de não conseguirem manter, é capaz de nem conseguirem executar. Se não continuar a mobilização, o risco hoje é que nem seja executado o que está previsto no orçamento. Se garantirmos (o valor inicial), já será uma grande vitória", avalia o deputado Jerônimo Goergen (PP), que participa dos contatos com o Governo Federal.

Antes do corte, o orçamento deste ano previa R$ 74 milhões para a duplicação dos 234,9 quilômetros da BR-116 e a execução do contorno de Pelotas – valor que já era considerado insuficiente para liberar trechos da rodovia para o trânsito. Foi quando surgiu a mobilização de dezenas de líderes da região, batizada de Juntos pela 116. Ainda faltam R$ 634 milhões para a conclusão da obra, que, hoje, não tem previsão de entrega.

Principal ligação entre a Região Metropolitana e a Serra com o Porto de Rio Grande, no Cone Sul do Brasil, a Rodovia não dá mais conta do fluxo de caminhões e deixa o transporte de mercadorias mais lento, tirando competitividade da produção gaúcha e gerando perdas bilionárias. De pista simples, a estrada é considerada perigosa e com altos índices de acidentes e mortes.

As informações são do Jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul.

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s