A primeira edição do Boletim Econômico Capixaba, divulgado pelo Instituto de Desenvolvimento Industrial e Educacional do Espírito Santo (Ideies) em outubro, trouxe uma análise de diferentes indicadores da economia capixaba. Um dos assuntos em destaque é o aumento de 29,4% na tarifa de gás no Estado – entre 2014 e 2017, a tarifa média do m³ industrial saiu de R$ 1,12 para R$ 1,45.

                                         Imagem

Leia também

Fomentando cadeias logísticas portuárias integradas e mais produtivas

O aumento do custo, segundo o Boletim, afeta a competitividade das indústrias que fazem uso intensivo do insumo. Embora seja o quarto maior produtor de gás natural do Brasil, o Estado paga uma tarifa postal – que não considera o trajeto percorrido pelo gás. Em 2018, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) deve rever a metodologia do cálculo tarifário.

A análise produzida pelo Ideies revela que uma cobrança por entrada e saída, variando conforme o custo do transporte, seria benéfica para o Espírito Santo. Para o presidente do Sistema Findes, Léo de Castro, a capacidade produtiva do Estado e a infraestrutura de distribuição serão grandes diferenciais para a atração de indústrias que buscam tarifas de gás mais competitivas.

“O gás capixaba tem tudo para ser um dos mais competitivos do país. Essa questão é determinante para a atração de novos investimentos, sobretudo nos segmentos de cerâmica, alimentos e bebidas, papel e celulose. A Findes, por meio do Ideies, vai acompanhar e propor mudanças que tornem o preço do gás cada vez mais acessível para o setor produtivo”, destacou o presidente.

Saiba mais

O Boletim Econômico Capixaba de outubro também trata sobre o processo de retomada da economia, o desempenho industrial e os resultados do comércio exterior no Espírito Santo. Saiba mais acessando a publicação completa:

http://ideies.org.br/dados/

Pin It
0
0
0
s2smodern
powered by social2s

O que você achou? Comente